Saturday, December 22, 2007

CARINHO DE MAR

Vim com o sangue gelado
Das terras do lado norte,
Sentindo o peito cansado
Dos desafios da sorte.

Cheguei ao mar bem cedinho
Ainda a lua a espreitar,
E senti o seu carinho
Vinha a saudade abrandar.

Sentei-me à beira d’água
Respirando o cheiro a mar,
Expirei a minha mágoa
E fui com as ondas dançar.

Não há como o mar salgado
Para inspirar harmonia,
Com seu constante bailado
Perfumado de maresia.


Fernanda

Friday, December 14, 2007

Farrapos de Neblina


Os farrapos translúcidos,
Translúcidos de neblina,
Engolem o mar,
Mesmo à minha frente.
As cristas agitadas
Expulsam ondas magoadas.

O primeiro raio-de-sol acordado
Faz cintilar uma estrada,
Estrada enorme de mar prateado.

Passam duas gaivotas.
Parecem amigas.
Talvez amantes,
Pela forma como se abraçam
Em pleno voo…
Num voo suave, mágico,
Divino, celestial, endeusado,
Enquanto um enamorado
Vê nelas o sonho,
O sonho de um enobrecido amor
Pela neblina ofuscado.

Salta uma bola.
Tomba-se o sonho.
Tomba-se a ilusão.

Foi-se o devaneio.
Foi-se o sol.
Foram-se as gaivotas.

Foi-se a gente.
Fui-me eu
Para a cidade real.


Fernanda

Monday, December 03, 2007

Voa livre

Voa livre meu pensamento,
No colo do vento norte…
Tão rápido e às vezes lento,
Sonhando com uma feliz sorte.

Agora está nas asas da brisa,
Na ponta da fantasia humana…
Perdido no Céu, onde profetisa,
Longe da materialidade mundana.

Refresca-se no orvalho de uma rosa,
Saltita entre nuvens de temperança,
Poisando numa estrela luminosa,
Onde colhe flores de esperança.


Fernanda

Friday, November 23, 2007

NÂO DUVIDO

Não duvido...
Acredito...
No quanto me queres e me amas.
Não duvido...
Acredito...
Nas vezes que em mim pensas e me chamas.

Não duvido do teu sincero amor...
Não duvido da tua grande afeição...
Acredito no teu forte abraço, com ardor,
acredito no teu longo beijo, de emoção.

Acredito na profunda sinceridade
com que me amas, com que me abraças.
Ao olhar-te nos olhos sinto a claridade,
que em dias de sol tranpõe as vidraças.

Não duvido que sem ti não sou ningúem,
apesar de não te ter quanto queria,
saltei o muro, a cerca, o além,
tentando alcançar o amor, a alegria.

Não duvido que a terra que piso,
me dá firmeza para caminhar em frente.
Apercebo-me do quanto um leal aviso,
me faz meditar de modo diferente.

Não duvido que o ar que respiro,
me dá incentivo para lutar por ti.
Não duvido que o teu breve suspiro,
me faz recordar tudo o que vivi.

Não duvido, que não irás duvidar...
acredito que irás acreditar...
No outro Lado haver também lugar,
para o abraço, o beijo, o amor provar!

Acredito na outra Vida, onde amanhã
te procorarei, sem tempo, sem limite.
Nos meus olhos cerrados sentirás o afã
que à minha alma a saudade, de ti , transmite...

Fernanda

Friday, November 16, 2007

CORRENTE

Fui apanhada pelo-Zé Povinho-e de acordo com as regras estipuladas, estou a ler " O SÉTIMO
SELO " de José Rodrigues dos Santos, na qual a 5ª. linha da página 161, diz;... Orlov mostrava-se agora inteiramente aborvido pela narrativa.
Para prosseguir a corrente os 5 nomeados são; Rui Caetano-José gonçalves-Luar perdido-Lua prateada-Um Poema.
Beijinhos para todos e bom trabalho.
Fernandinha

Friday, November 02, 2007

A NOITE SERÁ CLARA

Clara é a noite...
Porque com a profundeza do pensamento olhas o dia!
Brilha o sol em dia de chuva...
Porque teus olhos reflectem o sorriso da tua bondade!

Olho-te...
Tu não sabes nem saberás as vezes que já te olhei...
Meus olhos descansam na tua meiga e doce abstração.
Se tu soubesses o que os meus olhos vêem nos teus...
Se tu soubesses porque bate o meu coração...

Como é bom amar!
Amor é algo tão profundo, tão imenso,
que não há como exprimir,
e tão misterioso,
que não se deixa decifrar.

Quando os cabelos brancos nos ornamentarem a face...
Quando os olhos se rodearem de rugas...
Quando as mãos trémulas não nos deixarem agarrar...
O que nos foge...
Sem o nosso consentimento
nossas almas revelarão os segredos...
Guardados no cofre dos nossos corações.
Partiremos desta vida...
A noite será clara...
Porque o Sol brilhará ao lado da Lua!

Fernanda

Tuesday, October 16, 2007

RAIO DE LUZ

Sinto em mim um refúgio diferente,
ao olhar o passado percorrido,
não sei se guardei tudo em minha mente,
não sei se tudo foi por mim vivido.
Se tudo foi um sonho realmente,
não sei se nada foi em mim perdido...

Sinto em mim regozijo do passado,
ao olhar p'ra trás, ao olhar meu trilho.
Não sei se o que foi por mim amado,
foi abrangido por paixão, por brilho,
foi o que poderia ter-te dado.
Do painel não restou nenhum ladrilho...

Olho em frente o incerto horizonte,
buscando tua imagem esboçada,
sonho transpor a longa e frágil ponte
que me leva sem tempo , à estrada,
e me guia, como água do monte
límpida, pura e abençoada...

Subo na nuvem, deitada ao relento,
vislumbrando o devir que previ,
sobes voando qual ave sem tento,
alcançando quem delira por ti.
Juntos na nuvem, levados pelo vento
subimos ao céu que a ambos sorri...

O azul do céu, oca imensidade,
foge do olhar qual raio de luz.
Pairo no ar sem força, nem vontade,
tudo ao alcance, nada me seduz...
Recordo... a valiosa Humanidade,
admiro... o quanto a Natureza reluz...

Falta-me tudo... o que induz saudade!

Fernanda

Monday, October 08, 2007

DESEJO ADOLESCENTE

Já não aguento mais, perfeita sereia!
Só vejo o teu rosto angélico, desde a aurora;
Sonhos quentes e agitados, na maré cheia...
Tua doçura m'envolve pelo dia fora.

Quero conquistar-te, mas não consigo.
Sou uma doida, uma apaixonada por ti!
Queria, meu amor, namorar contigo,
porque estou louca, desde que te vi!

Já não consigo estudar, nem ouço o professor.
Letras e imagens esvoaçam subtilmente,
dando lugar à tua presença de calor,
que m'aquece o coração e ilude a mente!

Fernanda

Monday, October 01, 2007

REENCONTRO

Fresquidão de tenro rebento,
lírio do campo, a despontar,
fogo de Verão, no fim da tarde.

Eu! Era eu.

E agora...
perdi-me.

O vento do esquecimento
desorientou-me
e não cessa de ventar.

Apagaram-se as verdades
da minha juventude.
A nuvem do desespero
apossou-se de mim
e os últimos raios de sol
vão desaparecendo...

Senti mais uma forte rajada
( que julgava fatal! )
e gritei,
ao expulsar as primeiras lágrimas,
que limparam meu olhar,
humedecendo a terra seca.

O vento parou,
as nuvens dissiparam-se
e o sol reapareceu.

Foi aí que eu
me reergui, como árvore fortalecida
pela tempestade da juventude.


Fernanda

Monday, September 24, 2007

VOLTOU DE VIAGEM

Sopra o vento no alto da montanha,
cai a neve na serra, lá distante,
vem o lenhador carregado de lenha
e a chuva molhar o caminhante.

É o inverno, que voltou de viagem,
trazendo o arrepio molhado, consigo,
para deixar limpa e fresca, a paisagem,
arrancando-lhe a secura com o riacho amigo.

Mata a sede ao mundo vegetal:
Afugenta réstias de luz, de calor,
na branca e cega geada matinal,
de onde soam hinos de louvor.

Dorme o animal hibernativo.
A vida esconde-se debaixo da neve.
O Homem fica mais contemplativo,
tocando o gelo de si, ao de leve.


Fernanda

Sunday, September 16, 2007

MENTIRA BRANCA

Mentira branca,
no branco das trevas,
nas trevas do nada,
no nada de si,
no si turbilhonante,
na turbilhante respiração,
na respiração tolhida,
na tolhida pálpebra,
na pálpebra do medo,
no medo de ningúem,
no ninguém da angústia,
na angústia do desdém,
no desdém escarnecedor,
no escarnecedor bastardo,
no bastardo da Terra,
na Terra da vida,
na vida de um filho,
no filho do Céu,
no Céu da esperança,
na esperança do réu,
no réu da mentira branca.


Fernanda

Sunday, September 09, 2007

LÁGRIMAS DO RIO

Lágrimas do rio magoado,
num corpo cansado,
cansado da dor.
Lágrimas de sangue.
do sangue do seu coração!

Rio grande e largo
lava essas mágoas
do pesado fardo.
Leva-as contigo,
rio abaixo...
Sedimenta-as no lodo
mas, aproveita e purifica
as que amadurecem
o Homem que fica!
Reflete a casa, o arbusto
daquela alma,
no teu espelho corrente
e mostralhes utilidades.
Não destruas
a barragem humana
com o raiva
das tuas lágrimas.
Alimenta-as, antes,
e faz jorrar
todas as fontes vivas.
Cobre de verde esperança
as margens da tua vida.
Deixa subir
a montanha que te sucede
para que, chegado ao cume,
possa apreciar o rio,
o rio maravilhoso da vida.


Fernanda

Wednesday, August 08, 2007

ROUXINOL

Luar
flor que surge
caminho
meu olhar penetra na noite
borboleta adormece
rouxinol canta melodias, plenas de sol!...
No entanto há luar!...
Paraliso
aquela música faz-me pensar,
algo longínqulo põe-me a chorar
o luar dá luz às minhas lágrimas
e elas correm , regando a flor
o rouxinol pára de cantar!
a borboleta começa a despertar!...
E o luar dá lugar ao sol
a luz solar seca a flor,
mas esta, em vão,
tenta recordar a doce noite por que já passou
e então murcha, caindo por terra
pego nela, beijo-a e ela renasce
o sol desce!...
O luar surge!
A borboleta adormece!...
O rouxinol aparece!...
Eu choro
o dia perece!


Fernanda

Sunday, August 05, 2007

SILÊNCIO

Quantas vezes nos encanta,
um momento que se forma
no silêncio das palavras
que não dizes,
ao abraço que não negas,
mesmo quando no meu canto
com carinho eu espero-te.

No meu leito que silêncio
da tua ausência
também cala a voz
aqui dentro do meu peito.


Fernanda

Monday, July 30, 2007

VÉU DE PROSPERIDADE

Em maré de rosas,
cada ser de si
olha para o espelho seu;
não para a rua,
não para o céu,
não pela vaidade sua,
não pelo fulgor de ti,
ralé de gente caprichosa...

Olha para o espelho do sonho,
do sonho seu,
agarrado pelo véu,
véu de prosperidade,
que é sol de pouca verdade.

Aqui,
o ser meu,
o ser de si,
o ser do mundo,
do mundo seu,
não olha pela fresta,
atrás dela escondido,
encolhido,
medroso
do povo desdenhoso,
da língua de prata,
que a boa vontade mata,
num estertor vitorioso.

Em maré de rosas,
sente-se a estese
na beleza de si,
na beleza do outro,
na beleza do mundo!


Fernanda

Monday, March 12, 2007

A Minha Grande Fantasia

Quando a noite arrefece
Eu só penso em ti
Quando o dia amanhece
Eu só queria estar aí

Tenho um grande desejo
Que é poder-te agarrar
Dar-te um beijo
E poder-te levar

Levar-te para o infinito
Levar-te até á lua
Dizer que não te minto
Se cometermos uma loucura

Mas claro isto é tudo uma grande fantasia
È tudo um grande desejo
Mas o que eu queria
Era poder dar-te um beijo

Um beijo com loucura
Um beijo com sentimento
Um beijo com ternura
Um beijo sem esquecimento

Fernanda