Wednesday, August 08, 2007

ROUXINOL

Luar
flor que surge
caminho
meu olhar penetra na noite
borboleta adormece
rouxinol canta melodias, plenas de sol!...
No entanto há luar!...
Paraliso
aquela música faz-me pensar,
algo longínqulo põe-me a chorar
o luar dá luz às minhas lágrimas
e elas correm , regando a flor
o rouxinol pára de cantar!
a borboleta começa a despertar!...
E o luar dá lugar ao sol
a luz solar seca a flor,
mas esta, em vão,
tenta recordar a doce noite por que já passou
e então murcha, caindo por terra
pego nela, beijo-a e ela renasce
o sol desce!...
O luar surge!
A borboleta adormece!...
O rouxinol aparece!...
Eu choro
o dia perece!


Fernanda

Sunday, August 05, 2007

SILÊNCIO

Quantas vezes nos encanta,
um momento que se forma
no silêncio das palavras
que não dizes,
ao abraço que não negas,
mesmo quando no meu canto
com carinho eu espero-te.

No meu leito que silêncio
da tua ausência
também cala a voz
aqui dentro do meu peito.


Fernanda